PARTICIPE DE NOSSAS AÇÕES TRANFORME E SUA CONTRIBUIÇÃO EM UMA AÇÃO SOCIAL - DOE QUALQUER VALOR

CONTRIBUA: 9314 ITAU - 08341 2 NUMERO DA CONTA CORRENTE - deposite qualquer valor

FAÇA UM GESTO DE CARINHO E GENEROSIDADE DEPOSITE EM NOSSA CONTA CORRENTE ITAU AG; 9314 C/C 08341 2

CONTRIBUA QUALQUER VALOR PAG SEGURO UOL OU PELA AG: 9314 CONTA 08341 2 BANCO ITAU

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Religião e Política...



Religião e Política

 
Na versão original do famoso “Samba do Avião”, Tom Jobim inicia a letra fazendo uma saudação a Oiá e Xangô;
em seguida presta homenagem a um dos cartões postais do Brasil: “Cristo Redentor, braços abertos sobre a Guanabara...”.Inaugurada no dia 12 de outubro de 1931, no Corcovado, mais alto morro da capital carioca, a escultura do Cristo Redentor pesa 1.145 toneladas, tem 38 metros de altura e 30 de largura (de mão a mão).
A obra é considerada a maior estátua “art decó” do mundo, estilo arquitetônico marcado por linhas simples, elegantes e traços geométricos.
Aproximadamente um milhão de turistas estrangeiros e brasileiros visita anualmente o monumento, sendo que estão avançados os estudos para o seu tombamento. Trata-se de tombamento da própria estátua, tendo em vista que a paisagem natural do Corcovado foi tombada há décadas.

O que pouca gente sabe é que a inauguração do Cristo Redentor fez parte de um grande acordo entre o Governo Provisório de Getúlio Vargas e a Igreja Católica.
A relação política entre Estado e igreja não era nova e vinha desde os serviços prestados por esta à Coroa Portuguesa, inclusive a catequização obrigatória dos africanos escravizados.
Na inauguração do Cristo Redentor, Getúlio e todo o seu ministério subiram o Corcovado para ouvir a pregação do Cardeal Sebastião Leme, que consagrou a nação “ao Coração Santíssimo de Jesus, reconhecendo-o para sempre seu Rei e Senhor”.
Outro afago feito por Getúlio foi a adoção de um decreto que permitiu o ensino religioso nas escolas públicas, desobedecendo abertamente a proibição estabelecida pela Constituição vigente na época.
Em troca, a Igreja levou a massa da população católica a apoiar o novo governo.
Foi assim que o símbolo de uma religião foi transformado em símbolo nacional, cantado em verso e prosa.
Vale lembrar que nos nossos dias são frequentes as notícias sobre a atuação de bancadas católicas e evangélicas no Congresso Nacional, nas Assembleias Legislativas e nas Câmaras de Vereadores.
Exemplos como este não deixam nenhuma dúvida: todas as religiões, sem exceção, fazem acordos com políticos e governantes. Religião e política sempre andaram juntas – para o bem ou para o mal.
No caso do Candomblé e da Umbanda, o problema não está em se fazer política dentro da religião. Primeiro porque a política está presente em nossa vida o tempo todo, em todo lugar.
Quantos fiéis das Religiões Afro-brasileiras não são obrigados a esconder sua religião no local de trabalho, na escola ou na vizinhança para não sofrer discriminação? Quantos já não foram vítimas de humilhação, de preconceito e não tiveram a quem recorrer? Tudo isso depende da política.
O problema, portanto, é que muitos fiéis e Ministros (as) das Religiões Afro-brasileiras ainda têm dificuldade para compreender a força do voto, a força da nossa comunidade organizada.
Em ano eleitoral sempre aparecem os candidatos nos Terreiros. Eles chegam, dão tapinhas nas costas, distribuem sorrisos e presentinhos na comunidade e depois ficam quatro anos votando contra os direitos e interesses da Umbanda e do Candomblé.
Por isso precisamos lembrar que voto é coisa séria. Quem vende seu voto, geralmente por preço muito barato (um saquinho de doces aqui, um saco de cimento ali) não tem o direito de cobrar depois.
O voto deve servir para fortalecer nossa Religião, fazendo com que Candomblé e Umbanda sejam cada vez mais respeitados e exerçam todos os direitos que a lei assegura às religiões.
Devem merecer nosso voto àqueles candidatos que assumam compromisso público com a comunidade, que apresentem propostas concretas e que lutem contra a intolerância religiosa. O ideal certamente é que o voto sirva para eleger candidatos da própria Umbanda e Candomblé, colocando nas Câmaras de Vereadores pessoas que sintam na pele o peso da discriminação religiosa.
Se todas as religiões têm atuação no campo da política, por que Candomblé e Umbanda não podem ter? Só nós não podemos? E os outros?
Dr. Hédio Silva Jr.Professor, Diretor da Faculdade Zumbi dos Palmares, Advogado e Ex-secretário de Justiça do Estado de São Paulo. Militante há mais de 30 anos contra a Intolerância Religiosa e Racial.

MIDIAS SOCIAIS COMPARTILHA...

Gostou? Compartilhe !!!
Ocorreu um erro neste gadget

Postagens populares

visitantes diariamente na REDE MANDACARURN