PARTICIPE DE NOSSAS AÇÕES TRANFORME E SUA CONTRIBUIÇÃO EM UMA AÇÃO SOCIAL - DOE QUALQUER VALOR

CONTRIBUA: 9314 ITAU - 08341 2 NUMERO DA CONTA CORRENTE - deposite qualquer valor

FAÇA UM GESTO DE CARINHO E GENEROSIDADE DEPOSITE EM NOSSA CONTA CORRENTE ITAU AG; 9314 C/C 08341 2

CONTRIBUA QUALQUER VALOR PAG SEGURO UOL OU PELA AG: 9314 CONTA 08341 2 BANCO ITAU

terça-feira, 12 de março de 2013

OBALUAIÊ: Um estudo sobre práticas de saúde no convívio com o HIV/Aids em terreiros de Umbanda na cidade de Fortaleza-Ceará.

 Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: VIOLETA MARIA DE SIQUEIRA HOLANDA
DATA: 20/03/2013
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório de Antropologia (Sala C5 do Setor II)
TÍTULO:
OBALUAIÊ: Um estudo sobre práticas de saúde no convívio com o HIV/Aids em terreiros de Umbanda na cidade de Fortaleza-Ceará.

PALAVRAS-CHAVES: Umbanda; Aids; Estigma; Drama Social.

PÁGINAS: 170
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Antropologia
SUBÁREA: Antropologia das Populações Afro-Brasileiras
RESUMO:
A tradição e a vivência nos espaços dos terreiros de matrizes africanas revelam o quão dinâmico é a reprodução e troca de saberes e conhecimento que, através de sua visão de mundo, revelam formas de lidar com a saúde e a doença. Os terreiros constituem territórios ricos, culturalmente, em que pessoas moldam concepções, práticas e crenças a respeito da saúde, das enfermidades e das formas de cura, repassados de geração a geração, através da oralidade. Com o advento do HIV/Aids a partir dos anos 80, um novo desafio se estabelece na comunidade dos terreiros e nas trajetórias individuais das pessoas afetadas pela doença que desde idade tenra participam dessa prática religiosa. O objetivo desta pesquisa é a análise sobre as práticas religiosas e de saúde no convívio com o HIV/Aids em terreiros de Umbanda na cidade de Fortaleza-Ceará, considerando a (re)produção do estigma em meio aos dramas sociais vivenciados pela comunidade em questão. Durante a investigação foram adotados dois parâmetros fundamentais: primeiro, que considera a compreensão da reprodução do estigma (ou da identidade deteriorada) em relação ao HIV/Aids em sua dimensão sócio-histórica, e seus efeitos no contexto investigado (GOFFMAN, 1988). E segundo, que se refere à criação e reprodução dos dramas sociais, enquanto experiência social realizada através do aprendizado, manuseio e atuação dos símbolos, que se reproduz em quatro fases: ruptura, crise, ação corretiva e reintegração (TURNER, 1971).


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 349700 - LUIZ CARVALHO DE ASSUNCAO
Interno - 1117908 - MARIA LUCIA BASTOS ALVES
Interno - 346708 - VANIA DE VASCONCELOS GICO
Externo à Instituição - ANTONIO GEORGE LOPES PAULINO - UFC
Externo à Instituição - IRENE DE ARAUJO VAN DEN BERG - UERN

MIDIAS SOCIAIS COMPARTILHA...

Gostou? Compartilhe !!!
Ocorreu um erro neste gadget

Postagens populares

visitantes diariamente na REDE MANDACARURN