PARTICIPE DE NOSSAS AÇÕES TRANFORME E SUA CONTRIBUIÇÃO EM UMA AÇÃO SOCIAL - DOE QUALQUER VALOR

CONTRIBUA: 9314 ITAU - 08341 2 NUMERO DA CONTA CORRENTE - deposite qualquer valor

FAÇA UM GESTO DE CARINHO E GENEROSIDADE DEPOSITE EM NOSSA CONTA CORRENTE ITAU AG; 9314 C/C 08341 2

CONTRIBUA QUALQUER VALOR PAG SEGURO UOL OU PELA AG: 9314 CONTA 08341 2 BANCO ITAU

terça-feira, 26 de março de 2013

Demonização e intolerância religiosa (MM)

Demonização e intolerância religiosa (MM)

(Uma análise a partir da prática de libertação espiritual em alguns segmentos evangélicos brasileiros)
Transcrição da página Ponto Crítico de Mariel Marra [1]


Resumo
O presente artigo aborda o tema da intolerância religiosa, a partir da prática de libertação espiritual em alguns segmentos evangélicos brasileiros, os quais se utilizam da prática discursiva, para demonizar as religiões não-cristãs, e especialmente as afro-brasileiras, algo que é caracterizado como crime no Brasil. Este artigo torna-se relevante frente aos constantes confrontos religiosos no campo religioso brasileiro, os quais recentemente ganharam maior atenção do Ministério Público e demais instituições e autoridades do Brasil.
Palavras-chave: Intolerância, evangélico, afro-brasileiro, demonização, libertação.

Introdução
Segundo Maria Clara Ramos Nery [2] (1997:82), a intolerância religiosa, não se constitui em modificações das relações estabelecidas no campo religioso, pois de acordo com determinações históricas, ela dota-se ora de maior, ora de menor visibilidade. Para Nery é possível observar no contexto do campo religioso nacional da contemporaneidade, o reavivar desta intolerância religiosa no confronto entre afro-brasileiros [3] e alguns segmentos evangélicos, tal como os neopentecostais [4], a qual é expressa pela demonização das entidades espirituais constituintes do universo simbólico das religiões afro-brasileiras.
É percebido que este processo de intolerância religiosa [5] expressa o dualismo presente no universo cristão de representações simbólico-religiosas, no qual os demônios encontram-se relacionados com o mal, com a desordem e Deus relacionado com o bem e a ordem. Conforme Ari Oro [6] (1997:13) essa representação, os demônios são seres espirituais possuidores de força superior a dos homens mas inferior a dos deuses [7].

Processo de intolerância
Nery afirma que o processo de intolerância se instaura a partir de uma impossibilidade, ou seja, a intolerância de alguns segmentos evangélicos se instaura a partir da impossibilidade de mudar o imaginário coletivo. Tais segmentos reconhecem que não conseguem abolir as representações simbólico-religiosas das entidades espirituais afro-brasileiras no imaginário coletivo. Nesse sentido Ari Oro (1997) ao falar sobre a Igreja Universal do Reino de Deus [8] diz o seguinte: “A Universal não nega a existência das entidades afro-brasileiras, mas modifica seu significado”. Isto é, nota-se que ela modifica seu significado simbólico, porque reconhece que não os pode abolir do imaginário coletivo.
Conforme Nogueira (1986:20), tal processo de intolerância, não é um fato novo no cristianismo, pois a demonização das entidades espirituais constituintes do universo simbólico das religiões, são apenas novas nuances da intolerância religiosa, a qual “acompanha o processo de elaboração progressiva da doutrina cristã”.  Nogueira também diz que tais nuances ocorrem, pois “impossibilitado de anular o poder das entidades pagãs, o Cristianismo pode apenas reduzi-las a condição de crenças deformadas, considerando que mesmo aqueles que as cultuavam de boa fé, estavam cultuando o Demónio”.
Para Ari Oro (1997), a demonização das religiões é usada como recurso estratégico no campo religioso nacional, no esforço de conquistar novos membros, frente a impossibilidade de abolir do imaginário coletivo as representações símbolo-religiosas das entidades espirituais afro-brasileiras. Desse modo Ari Oro (1997) afirma que a demonização é “um recurso simbólico posto em prática por religiões que competem entre si para arregimentar fiéis e para se impor legitimamente”.
Outrossim a razão para tal competição é o secularismo que separou a Política do Estado, o qual rebaixou todas religiões a condição de possíveis respostas ao ser humano, e por isso atualmente todas elas competem entre si pela atenção do ser humano, visando seu próprio crescimento e sobrevivência nesse mundo secularizado.
Por isso, nessa “guerra santa” [9], adota-se a estratégia de demonizar o universo simbólico da religião do Outro, e especialmente das religiões afro-brasileiras, cujo motivo pode ser o racismo histórico, o qual está enraizado na cultura Brasileira, pois a matriz religiosa africana chegou nesse país com os escravos, os quais eram vistos como inferiores juntamente com sua religião e cultura, em relação a religião do homem branco dominador que era Cristão.
É possível perceber que a demonização é uma prática discursiva, visando a deformação das crenças presentes no campo religioso, pelo “esvaziamento do significado do discurso do outro” (PINTO, 1985:65). Nota-se que a demonização deseja sobre tudo alcançar a  legitimação e plausibilidade dentro campo religioso altamente competitivo, pois somente na “luta contra o Mal” que os “guerreiros da luz” tornam-se legítimos e plausíveis para esses segmentos evangélicos.
Sobre tal processo de legitimação, André Corten em seu livro “Os pobres e o Espírito Santo” (1996) diz o seguinte:
“A “libertação” e a expulsão dos demônios são um espetáculo onde o diabo torna-se visível. Esta espécie de “anti-revelação” não repousa num “efeito de espelho ardente” do discurso teológico profético mas na transformação da comunidade em espetáculo. A função deste “espetáculo” que se realiza no templo é legitimar a máquina narrativa colocada em prática na televisão, no rádio e de maneira quase mecânica nas três ou cinco sessões de culto realizadas a cada dia. Somente uma poderosa organização permite ao “herói” ganhar a cada dia a batalha feroz contra as forças demoníacas” (Corten, 1996:232).
Desse modo percebe-se que caso acabe aquilo que chamam de “Mal”, logo tais práticas discursivas perdem sua legitimidade, pois os “guerreiros” e “soldados de Cristo”, somente encontram legitimidade e propósito de existência, enquanto tiverem algo com que “guerrear”.
O Movimento de Batalha Espiritual, o qual conforme Farris (1996:103), “parece relatar, de modo fechado, os modelos e cosmologias do período pós-reforma, no final do século 19 e início do século 20 na Europa e na América do Norte”, esse movimento também tem como prática a demonização das religiões.
De acordo com a Dra. Daniela Bessa [10] (2006: 41): “O ressurgimento do Movimento de Batalha Espiritual nos segmentos protestantes se deve a relatos de experiências dos missionários norte-americanos John Fraser e Kenneth McAll com o demoníaco durante seu trabalho com comunidades no interior na China nas décadas de 1930 e 40. Sua difusão como estratégia de evangelização e cura interior (com metodologia própria) é atribuída ao norte-americano Peter Wagner, professor de Missiologia no Fuller Theological Seminary em Passadena, Califórnia”.
No Brasil, Neuza Itioka é uma das precursoras do movimento de Batalha Espiritual, fundando na década de 80 o Ministério Ágape Reconciliação, logo após ter feito escola com Peter Wagner no Fuller Theological Seminary em Passadena, Califórnia, sendo atualmente um dos principais ministérios de libertação e cura interior no Brasil.
Itioka e sua equipe ministram periodicamente no Brasil, cursos e seminários sobre Libertação. Neles são ensinados que o Libertador (pessoa que ministra sessões de libertação espiritual), deve levar ao necessitado de libertação, a renunciar verbalmente todas as religiões que teve envolvimento direto antes da conversão.
O objetivo da prática da renúncia verbal tem como fundamento a idéia de que Satanás e seus demônios somente deixam uma pessoa livre, quando essa verbalmente anuncia a sua decisão de quebrar os pactos espirituais feitos com através das religiões não-cristãs, sendo que para o Ministério Ágape, todas as religiões não-cristãs, e para eles isso inclui até o Catolicismo, todas elas são percebidas como religiões do Mal, as quais precisam ser renunciadas verbalmente para que as “brechas espirituais” sejam fechadas, as maldições sejam quebradas e haja enfim a libertação de vícios, imoralidade e outras perturbações diversas [11].
Desse modo, a demonização do universo simbólico das religiões pode ser percebida no modelo da oração chamada de “Grande Renúncia”, a qual é publicada no material de apoio do Ministério Ágape Reconciliação, chamado “Manual de Libertadores”, cujo livro é vendido em seus cursos e seminários.   
Observe trecho da “Grande Renúncia” (p. O-00/1-4) ao tratar do Catolicismo:
[...] Renuncio todo o meu envolvimento no Catolicismo: renuncio o meu balizado na Igreja Católica e renuncio qualquer vinculação do meu nome a qualquer santo católico, desligando espiritualmente esta vinculação; renuncio meu crisma, catecismo, 1ª comunhão, assistência a missas, ter tomado hóstia, ter participado de procissões, ter carregado imagens e velas, ter-me vestido de anjinho, ter usado coroa; peço perdão pelo pecado da idolatria, e cancelo toda veneração e adoração que dei aos santos católicos; coloco ainda o sangue de Jesus Cristo e o poder da cruz entre a minha vida e todas as maldições que vieram sobre mim em decorrência desses pecados. Renuncio todas as velas que acendi para as almas - para o anjo da guarda - para mim mesmo - velas de 7 dias; peço perdão por estes pecados, e desligo, em nome de Jesus, todo seu efeito espiritual sobre a minha vida. Renuncio também todas as imagens, de qualquer tipo, que possuí ou possuo; cancelo, em nome de Jesus, toda veneração e adoração que dei a elas, e cancelo em nome de Jesus todo relacionamento da minha vida com os demónios por trás dessas imagens. Renuncio, cancelo e torno sem efeito, em nome de Jesus, todas as rezas católicas que rezei: Ave Maria - Terço - Novena - Trezena - Santa Cruz de Caravaca - São Cipriano - São Marcos e São Manso - Pedra da Lua - Das Sete Velas - Santo Expedito - Santa Clara - Salve Rainha e todas as outras; peço ao Senhor que envie seu anjo até as pessoas que foram atingidas por essas rezas e desfaça em suas vidas tudo o que foi danificado pelo poder das trevas através dessas rezas. Renuncio ainda a todas as festas religiosas de que participei: Cosme e Damião - Folia do Divino - Folia de Reis - Folia das Almas - Farra do Boi - Festas Juninas - Quermesses - Halloween e quaisquer outras festas religiosas; desligo espiritualmente todo o efeito das mesmas sobre a minha vida. Renuncio assim todo o meu envolvimento com o Catolicismo e declaro, em nome de Jesus, que quebrado está todo direito legal de Satanás e seus demónios atuarem em minha vida, em decorrência desse meu envolvimento. Quebradas estão, ainda, todas as maldições que vieram sobre a minha vida, em decorrência desse envolvimento. Em nome de Jesus eu amarro, e expulso da minha vida, lemanjá, Cosme e Damião, Daum, exus-mirins e todos os demónios relacionados com os santos católicos e com essas práticas; vão para o lugar que o Senhor Jesus determinar. [...] (Grifo nosso)
Analisando este material, o qual também trata de mesma maneira outras religiões e seitas, percebe-se que a demonização do catolicismo ocorre em todos os níveis; Ou seja, quer seja em nível religioso, social ou cultural, em todas suas manifestações, nota-se que o catolicismo é diretamente relacionado com o “Mal”, ao “demoníaco”, ao “amaldiçoado” e ao “poder de Satanás”. Sendo percebido que até as entidades afro-brasileiras também são exorcizadas, pois segundo o Ministério Ágape, as entidades afro-brasileiras são demônios que estão por trás dos santos católicos.

Discriminação ou preconceito de religião
Deve-se ter cautela com esses atuais métodos de Libertação Espiritual adotados por alguns segmentos evangélicos no Brasil, pois a demonização de outras religiões pode ser encarada como crime de discriminação ou preconceito de religião de acordo com o artigo 20 da Lei n.º 7.716/89, modificada pela Lei 9.459/97, que condena o ato de “praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de religião”, sendo que isso cometido por intermédio dos meios de comunicação social ou publicação de qualquer natureza, gera a reclusão de dois a cinco anos. (Cf. http://www6.senado.gov.br/legislacao/ListaTextoIntegral.action?id=124299 ). 
Baseado no artigo 3º desta referida Lei, o juiz também poderá determinar, ouvindo o Ministério Público ou a pedido deste, ainda antes do inquérito policial, sob pena de desobediência, recolher imediatamente e mandar fazer busca e apreensão de propaganda e mandando cessar programas de rádio e televisivos que incitem a discriminação.
Portanto quando alguns segmentos evangélicos tratam o universo simbólico das religiões como algo Maligno, em que as religiões são diretamente relacionadas ao Mal-demoníaco, os adeptos dessas religiões tais como o Candomblé, Umbanda, e até Catolicismo, podem se sentir vítimas de discriminação religiosa, a qual viola os princípios da Constituição, que estabelece no capítulo dos direitos e garantias fundamentais do artigo 5º, que todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros a inviolabilidade do direito à liberdade, à igualdade, à segurança, sendo que a Constituição garante também a inviolabilidade da liberdade de consciência e de crença, em que é assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias, e que ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política.
O Ministério Público atualmente está atento ao preconceito religioso e o poder Judiciário tem aceitado as denúncias do MP por esse motivo.
Pode-se citar o caso do Juiz de Direito Flávio Marcelo Fernandes, da 37ª Vara Criminal da Comarca da Capital (Rj), o qual recebeu a denúncia da Promotora Márcia Teixeira Velasco, do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, contra Isaías da Silva Andrade, pastor da Igreja Evangélica Assembléia de Deus Trabalhadores da Última Hora, por prática de preconceito religioso.
Segundo a denúncia, que cita a reportagem “Ladrão se entrega com Bíblia na mão”, da edição de 27 de novembro de 2007, do jornal “Meia Hora”, Isaías “praticou, de forma livre e consciente, discriminação ou preconceito de religião”, ao declarar sobre Rodrigo Carvalho Cruz, o Tico, acusado de roubar em Ipanema o turista italiano George Morassi que, ao fugir, morreu atropelado: “Ele estava possuído por uma legião de demônios, como o Exu Caveira e o Zé Pilintra. Fizemos uma libertação nele e o convencemos a se entregar hoje.” O pastor disse isso nas dependências da DC-Polinter, onde acompanhava a apresentação de Rodrigo à polícia.
Na opinião da Promotora, o candomblé e seus praticantes “foram atingidos diretamente com a declaração racista e discriminatória, eis que o denunciado vilipendiou entidades espirituais da matriz africana, com a espúria finalidade de proteção de autor de nefasto crime”.
Segundo Dayse Coelho de Almeida[12] no âmbito jurídico, a definição de SILVA sobre liberdade de crença parece ser a melhor, porque estende o dispositivo constitucional de forma a abarcar também os ateus e os agnósticos, além de definir o papel do Estado diante deste direito fundamental, conservando a sua aplicabilidade máxima, conforme pode-se ler abaixo:
Na liberdade de crença entra a liberdade de escolha da religião, a liberdade de aderir a qualquer seita religiosa, a liberdade (ou o direito) de mudar de religião, mas também compreende a liberdade de não aderir à religião alguma, assim como a liberdade de descrença, a liberdade de ser ateu e de exprimir o agnosticismo. Mas não compreende a liberdade de embaraçar o livre exercício de qualquer religião, de qualquer crença, pois aqui também a liberdade de alguém vai até onde não prejudique a liberdade dos outros. (SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros, 2004, p. 248.)
Dayse afirma que os juristas constitucionalistas modernos a exemplo de MORAES, estes também não se afastam da definição de SILVA, os quais em seus conceitos, exprimem uma matiz sociológica que confere à liberdade de crença, uma dimensão mais ampla e abarcada pelo que acreditam ser a construção da liberdade religiosa, conforme pode-se ler abaixo:
A conquista constitucional da liberdade religiosa é verdadeira consagração de maturidade de um povo, pois como salientado por Themístocles Cavalcanti, é ela verdadeiro desdobramento da liberdade de pensamento e manifestação. A abrangência do preceito constitucional é ampla, pois sendo a religião o complexo de princípios que dirigem os pensamentos, ações e adoração do homem para com Deus, acaba por compreender a crença, o dogma, a moral, a liturgia e o culto. O constrangimento à pessoa humana, de forma a constrangê-lo a renunciar sua fé, representa o desrespeito à diversidade democrática de idéias, filosóficas e a própria diversidade espiritual. (MORAES, Alexandre de. Direitos Humanos Fundamentais. São Paulo: Ed. Atlas, p. 125).
Outro exemplo é o da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), que recentemente foi sentenciada a pagar 145 mil reais, a título de indenização e por determinação da Justiça , aos filhos e ao marido da mãe-de-santo Gildásia dos Santos e Santos.
O jornal Folha Universal, da igreja, publicou a matéria “Macumbeiros charlatões lesam o bolso e a vida dos clientes”, em 1999, e ilustrou o texto com uma foto de Gildásia. A mãe-de-santo faleceu em 2000, mas os filhos e o marido ingressaram na Justiça com ação indenizatória por danos morais.
O juiz Carlos Fernando Mathias entendeu, como informa o site Consultor Jurídico, que a questão não poderia ser transmitida “por herança”, mas considerou que a ofensa à mãe-de-santo era uma clara causa de dor e embaraço aos herdeiros.
Para Dayse Coelho de Almeida, os ataques às religiões afro-brasileiras por meio dos meios de comunicação, deve ser cessado e há meios legais para tanto, bastando o Poder Público utilizar-se do Decreto Presidencial 52.795/63 que regula os Serviços de Radiodifusão aplicando as sanções previstas no art. 133. Ou então, e melhor ainda, utilizar-se do que preceitua a Carta Magna nos arts. 220, §3º, inciso I e 223, § 4º, que possibilitam até a perda da concessão outorgada, em caso de reincidência na violação.
O decreto supracitado ainda prevê expressamente a responsabilidade da emissora pela programação exibida, ainda que a cessão seja parcial, de acordo com o arts. 124, § 1º; 67; 75 e 77 do Decreto Presidencial 52.795/63 e art. 10 do Dec. Lei 236/67. Ensejando o dever de indenizar pelos danos sofridos e ainda deferir o direito de resposta proporcional ao agravo sofrido.
O Art. 208 do Código Penal também afirma ser crime “contra o sentimento religioso”, o ato de “escarnecer de alguém, publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso”.
Conforme Damásio Evangelista de Jesus (Direito Penal, vol. 3º/65, 7ª ed., Saraiva, 1991), para caracterizar-se preconceito religioso, “é preciso que tais objetos já estejam consagrados, ou seja, já tenham sido reconhecidos como sagrados pela religião ou já tenham sido utilizados nos atos religiosos”.
Por isso, no entendimento jurídico, a transformação das religiões dentre elas as afro-brasileiras, em “religião do diabo”, “seita diabólica”, “gente do mal”, “lugar de encostos”, é favorecer um preconceito pela esteriotipação sobre os que as praticam e até mesmo torná-los alvo de discriminação e segregação social, além de constituir ofensa ao princípio constitucional da dignidade da pessoa humana.
Sendo que os evangélicos também são vítimas de tal preconceito, portanto permitir que tais demonizações continuem acontecendo no Brasil, seja por qualquer meio de propalação, significa abrir as portas para os ataques mútuos, o que poderia culminar em uma guerra religiosa, ou então favorecer o engrandecimento de uma religião em detrimento das outras, criando assim uma ditadura da mesma.
E por falar em ditadura religiosa, nota-se que isso não está longe de acontecer, pois em 2006 o Ministério Ágape Reconciliação apoiou a candidatura a deputado federal de um apóstolo, o qual dizia ser chamado por Deus para exercer a Batalha Espiritual no Congresso Nacional, sendo que o livro “Plano de poder” do bispo Edir Macedo, prega que Deus tem um plano político para os fiéis da Igreja Universal do Reino de Deus e para os evangélicos que sejam seus aliados: governar o Brasil. Fundador e chefe da Igreja Universal, Edir Macedo incita os evangélicos à mobilização partidária, seguindo o “projeto de nação” que Deus teria sonhado para os hebreus, que ele chama de cristãos. Isso é o que mostra a reportagem de Tatiana Farah, publicada na edição de 21/09/2008 do jornal O GLOBO. Lembrando que o Bispo Marcelo Crivela é candidato a prefeito do Rj, logo percebe-se que o Plano de poder já está em pleno vigor.

Conclusão
A demonização é uma prática discursiva para deformar a crença do outro, uma vez que a força que ela exerce sobre o imaginário coletivo não pode ser abolida. Ela é um confronto de religiões que buscam sobreviver no mundo secularizado, e vêem na “luta contra o mal” o argumento para alcançar sua legitimação dentro do campo religioso.
Contudo a demonização é crime de preconceito religioso, o qual é definido como em todas as esferas jurídicas, que visam resguardar o bem jurídico da liberdade, e impedir assim que haja a dominação de uns sobre os outros em nome da Religião.
Cabe portanto ao Ministério Público a defesa dos direitos da coletividade (direito à vida, dignidade, liberdade, etc), onde qualquer pessoa ou entidade que pode enviar uma reclamação/denúncia/representação ao Ministério Público Federal. Sendo que tais reclamações/denúncias/representações também podem ser encaminhadas pela internet às Procuradorias Regionais da República, às Procuradorias da República ou às Procuradorias da República nos Municípios.
Mais informações sobre como denunciar crimes de discriminação e preconceito de religião, que ferem a liberdade da coletividade, podem ser encontradas diretamente no site do Ministério Público Federal: http://www2.pgr.mpf.gov.br/o_mpf/encaminhar-denuncia e  também na procuradoria da república em São Paulo: http://www.prsp.mpf.gov.br/ .
Conforme consta no site da Procuradoria da República em Minas Gerais, as denúncias anônimas e as notícias, representações, denúncias e comunicações diversas feitas por meio eletrônico (e-mail ou via website), serão tratadas como fontes de informação e encaminhadas ao Procurador da República responsável, a quem caberá a análise do documento e a eventual determinação de instauração de procedimento para apuração dos fatos narrados (Cf. http://www.prmg.mpf.gov.br/index_denu.htm ).
Todavia se a pessoa desejar que sua representação seja autuada, a procuradoria da república em Minas Gerais pede que a representação seja entregue devidamente assinada, juntamente com os documentos pertinentes, pelo correio, ou diretamente no Setor de Protocolo, no endereço: Av. Brasil, 1877 - Funcionários CEP 30140-002 - Belo Horizonte/MG.
No Rio de Janeiro, além da procuradoria estadual, a pessoa que sofre agressão, perseguição, coação ou qualquer ameaça ou constrangimento por motivo religioso, pode denunciar através do site http://www.policiacivil.rj.gov.br clicando na aba “DENÚNCIA”. A pessoa não precisa se identificar! Ou ainda pelo Disque-Denúncia Intolerância (21) 2461-0055. Nesse número é possível deixar informações sobre casos de violação à liberdade religiosa. Desde ameaças até atos de violência, como os praticados por bandidos que expulsaram pais-de-santo em áreas dominadas pelo tráfico, ou o caso de depredamento de um centro espírita no Catete por jovens evangélicos em fúria, no início de junho/2008.
Seja Cidadão defendendo seus direitos e denuncie crimes de preconceito religioso! Existem no mínimo 10 mil motivos pra isso, conforme foi percebido na grande caminhada do dia 21/09/2008[13], que aconteceu na orla de Copacabana contra a intolerância religiosa.
Ricardo Mariano (1995: 107-108) observa que em diversos Estados ocorreram “manifestações de repúdio as práticas de cunho inquisitorial dos soldados de Cristo. Movimentos de negros, federações de umbanda e candomblé, representantes políticos dos umbandistas, instituições religiosas e culturais defenderam-se como puderam. Protestaram, realizaram passeatas, escreveram nos e para os jornais, formaram comissões e comitês, fizeram dossiês das queixas, dos conflitos e dos atos de hostilidade e vilipêndio praticados pelos crentes contra suas religiões e seus adeptos, denunciaram-nos a policia e as altas esferas da Justiça, pediram a prisão de Edir Macedo, sua extradição dos EUA e até uma indenização de dois bilhões de cruzeiros”.
O evento mais recente ocorrido no Rio de Janeiro reuniu católicos, umbandistas, judeus, muçulmanos, hare-krishnas, ciganos, instituições militantes dos Direitos Humanos, setores evangélicos e candomblecistas, além de intelectuais, artistas e representantes políticos. As instituições presentes ao encontro tiveram como objetivo reafirmar a defesa do direito constitucional de liberdade de culto e exigir das autoridades uma posição efetiva no que diz respeito à prática da intolerância religiosa por alguns segmentos que são amparados, segundos elas, por uma campanha difamatória veiculada em vários canais de TV. (Galeria de Fotos: http://oglobo.globo.com/rio/fotogaleria/2008/6689/ ).
Como teólogo vejo que para pregar o evangelho, definitivamente não é necessário demonizar a religião do outro, afinal o evangelho é feito apenas pelo anúncio da boa notícia da encarnação do Verbo divino, e a redenção realizada em Cristo por amor gracioso pela humanidade perdida. Aquele que crer no escândalo da Graça não irá perecer, mas terá a vida eterna. Portanto por que continuaremos a dizer “Senhor Senhor” e fazer aquilo que Ele nos manda?  
Observem que o Seu mandamento é: “Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento. E Amarás o teu próximo como a ti mesmo.” - Marcos 12:30-31 (RA)
Por isso “amemo-nos uns aos outros, porque o amor procede de Deus; e todo aquele que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus, pois Deus é amor.- 1João 4:7-8 (RA)
Certamente as escrituras, e especialmente o Novo Testamento, é riquíssimo sobre o Amor, mas, tal como o escritor de Hebreus diz, “porque vocês custam a entender as coisas, é difícil explicá-las. Depois de tanto tempo, vocês já deviam ser mestres, mas ainda precisam de alguém que lhes ensine as primeiras lições dos ensinamentos de Deus. Em vez de alimento sólido, vocês ainda precisam de leite. Hebreus 5:11-12 (BLH)
É evidente que o presente artigo não deveria ser escrito para cristãos, falando sobre o mandamento do amor, pois isso até soa como clichê-piega, contudo após perceber que dentre os próprios cristãos existe comportamento de não-amor, o qual é diferente do grande mandamento deixado por Cristo, então torna-se necessário ensinar as primeiras lições dos ensinamentos de Deus, sendo isso feito até entre aqueles que exercem cargos de lideranças nas instituições evangélicas e são chamados de Apóstolos, Bispos, Pastores, Presbíteros etc.
Afinal se esses estão precisando do leite, é porque ainda são crianças, e não têm nenhuma experiência para saber o que está certo ou errado, logo cometem crimes contra a liberdade e autonomia do ser humano, uma vez que isso também vai contra os próprios princípios da Reforma Protestante, pois a noção de autonomia do indivíduo em relação aos demais membros de um determinado grupo social surgiu na História associada ao nascimento da Reforma Protestante. Pela primeira vez recuperou-se, em reformadores como Lutero, Calvino, Knox e outros, a consciência individual como sendo a suprema norteadora das ações humanas.
Portanto lembrem-se que cada ser humano deve agir com base na sua própria consciência sendo responsável, neste mundo, por suas decisões individuais.. Isso é Graça!
Em Cristo,
que nos Salvou pela Graça somente


BIBLIOGRAFIA:
ALMEIDA, Dayse Coelho de. Demonização das religiões afro-brasileiras . In: Jus Navigandi, Teresina, ano 9, n. 551, 9 jan. 2005. Disponível em: . Acesso em: 01 out. 2008.
BESSA, Daniela Borja. A Batalha Espiritual e o Erotismo. In: Revista de Estudos de Religião, São Paulo, PUC-SP, n.1, p.39-49, 2006.
BITENCOURT, Cezar Roberto. Tratado de Direito Penal: Parte Geral. v. 1. 10. ed. São Paulo: Saraiva. 2006.
CORTEN, André. Os pobres e o Espírito Santo. O Pentecostalismo no Brasil. Petrópolis, Vozes, 1996.
Direito Penal, vol. 3º/65, 7ª ed., Saraiva, 1991.
FARRIS, James Reaves. “Intervenção na crise: perspectivas teológicas e implicações práticas”. In: Estudos de Religião, São Bernardo do Campo, UMESP, ano 11, n.12, p.101-118, dez. 1996.
FRESTON, Paul. Protestantismo e política no Brasil: da Constituinte ao Impeachment. Tese de doutorado, UNICAMP, Campinas, 1993.
LOPES, Augustus Nicodemus. O que você precisa saber sobre batalha espiritual. São Paulo: Cultura Cristã, 1997.
MACEDO, Edir. Orixás, Caboclos e Guias.· deuses ou demônios? Rio de Janeiro, Universal Produções, 1987.
______. O diabo e seus anjos. Rio de Janeiro, Ed. Gráfica Universal, 1995.
MARIANO, Ricardo. Neopentecostalismo: os pentecostais estão mudando. Dissertação de Mestrado, FFLCH/USP, 1995.
MARIZ, Cecilia. El debate en torno del Pentecostalismo Autónomo en Brasil. In: Sociedad y Religion. Buenos Aires, N. 13, março 1995: 21-32.
______. Il demonio e i pentecostali in Brasile. In: R. Cipriani, P. Eleta e A. Nest (org). Identitá e mutamento nel religioso latinoamericano. Milano, Franco Angeli, 1996: 229-244.
NOGUEIRA, Carlos Roberto F. O Diabo no Imaginário Cristão. São Paulo. Ática, 1986.
ORO, Ari Pedro. Avanço pentecostal e reação católica. Petrópolis, Ed. Vozes, 1996.
______.  Debates do NER, Porto Alegre, ano 1, n. 1, p. 10-36. Novembro de 1997.
PIERUCCI, Antônio Flávio & PRANDI, Reginaldo. A realidade social das religiões no Brasil. São Paulo, Hucitec, 1996.
PINTO, Celi Regina Jardim. Com a palavra o Presidente José Sarney ou como entender os meandros da linguagem do poder. São Paulo. Hucitec, 1989.
TASSARA, Andrés Ollero. 50 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos. In: Revista de Direito Constitucional e Internacional, São Paulo, v.11, n.43, p.57-72, abr./jun. 2003.
WENISCH, Bernhard. Satanismo. Petrópolis, Vozes, 1992.

Informações bibliográficas:
Conforme a NBR 6023:2002 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), este texto científico publicado em meio eletrônico deve ser citado da seguinte forma:
MARRA, Mariel. Demonização e Intolerância Religiosa: Uma análise a partir da prática de libertação espiritual em alguns segmentos evangélicos brasileiros. Disponível em < http://www.guerreirosdaluz.com.br >. Acesso em: dia mês. ano.
ORKUT
OUTROS ARTIGOS SUGERIDOS:
09 setembro. 2008 - JUSTIÇA OU VINGANÇA: Qual é o limite entre a Justiça e a Vingança?
http://guerreirosdaluz.com.br/problemas-do-mbe.htm
http://livrementeweb.blogspot.com/2008/08/livremente-entrevista-mariel-marra.html
09 agosto. 2008 - Pronunciamento público de Mariel Marra sobre a “denúncia crime” de Daniel Mastral:
06 junho. 2008 - A Batalha é Real
http://guerreirosdaluz.com.br/batalhareal.htm
09 Março. 2008 - O Rastro Oculto dos Guerreiros da Luz
20 Dezembro. 2007 - Preparam o Azorrague
14 Dezembro. 2007 - E-book: Quem é tua cobertura
12 Dezembro. 2007 - Matéria Revista Veja 05/12/2007: Os Templo-espetáculos
28 Novembro. 2007 - Drogas, demônios e ilusões: A surpreendente saga da Dra. Rebecca Brown e Elaine
11 Novembro. 2007 - Atuais formas de racismo na igreja evangélica brasileira
09 Setembro. 2007 - Palhaços ou Profetas?
06 Junho. 2007 - Rastros do Oculto - A doutrina satânica dos selados
16 Abril. 2007 - Resposta do Ministério Ágape Reconciliação aos questionamentos sobre suas práticas fora das escrituras
09 Março. 2007 - Curso de Libertadores: Uma análise bíblica e teológica sobre a prática de libertação no Ministério Ágape Reconciliação
Batalha Espiritual / Caio Fábio
Batalha Espiritual e o Erotismo / Ms Daniela Bessa

[1] Mariel Marra é atualmente bacharel em Teologia pelo Centro Universitário Izabela Hendrix de Belo Horizonte, membro da Igreja Batista da Lagoinha, servindo nesta congregação como diácono. Também trabalha na internet  e outros meios de comunicação, contribuindo para uma reflexão salutar da Fé Cristã, chamando a todos ao equilíbrio e moderação em Cristo. Para convites e outras informações: marielmarra@gmail.com
[2]Maria Clara Ramos Nery é professora e mestranda do curso de PPG-SOCIOLOGIA, da UFRGS.
[3] Segundo Ari Oro, professor de Antropologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul citando R. Prandi, as religiões pentecostais “…são o grande antagonista das religiões de origem negra nos dias de hoje, a ponto de lhe declararem perseguição sem trégua, que contamina, com intransigência e uso freqüente da violência física, as periferias mais pobres das grandes cidades brasileiras…” (Pierucci & Prandi, 1996: 258). Como sabemos, não é a primeira vez que as religiões afro-brasileiras são vítimas de preconceitos, acusações e perseguições. Segundo I. Maggie, a repressão apoiava-se nos artigos 156, 157 e 158 do Decreto 847, de 11/10/1890, que proibia a prática ilegal da medicina, a prática do Espiritismo, da magia e seus sortilégios, e do curandeirismo; ou então, via-se os cultos como momentos de “algazarra”, e “atentados a moral e aos bons costumes” (Maggie, 1986). Historicamente, porém, no Brasil, o catolicismo hegemônico não têm pouca responsabilidade no processo de formação de estereótipos negativistas contra os cultos afro-brasileiros. É bom lembrar que a hierarquia católica condenou abertamente as práticas religiosas dos negros (em 1890, 1915, 1948 e 1953) e desencadeou, na década de 50 deste século, uma luta apologética contra as religiões.
[4]Neopentecostalismo” é um termo aplicado ao pentecostalismo de segunda e sobretudo de terceira onda, segundo a tipologia proposta por P. Freston (1993), representado no Brasil especialmente pelas igrejas Universal do Reino de Deus e Deus é Amor. Em outro lugar (Oro, 1996), considerei que embora não haja fronteiras nítidas pode-se caracterizar da seguinte forma este novo modo de ser pentecostal: pentecostalismo de líderes fortes, pentecostalismo anti-ecumênico, pentecostalismo “liberal”, pentecostalismo de cura divina, pentecostalismo eletrônico e pentecostalismo empresarial. Para o levantamento empírico dos dados aproveitados na elaboração deste conceito, Ari Oro, professor de Antropologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, contou com a colaboração do aluno do Curso de Ciências Sociais da UFRGS, bolsista PIBIC/CNPq, Valdir Pedde, e os membros do Núcleo de Estudos da Religião (NER), do PPGAS da UFRGS.
[5] As religiões afro-brasileiras são as principais, mas não as únicas, a serem acusadas de demoníacas pelos neopentecostais. A Igreja Universal do Reino de Deus refere, explicitamente, o espiritismo, os grupos do tipo Nova Era, o catolicismo, “as religiões orientais e as ocidentais ligadas ao ocultismo” (Macedo, 1995). Porém, deve-se assinalar que, por sua vez, os grupos neopentecostais são também vítimas de intolerância religiosa, de outro tipo de “guerra santa”, deflagrada sobretudo pela mídia e pelas ciências sociais, com repercussões na sociedade em geral, que mantêm uma atitude negativa e preconceituosa contra eles, resultante da “valorização negativa do emocionalismo, o desprezo pelas experiências não racionalmente explicáveis, o rechaço de gastos no sobrenatural…” (Mariz, 1995: 23).
[6] Professor de Antropologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul
[7] Oro citando B. Wenisch, diz que na igreja católica “desde o Vaticano” não existe mais uniformidade na doutrina sobre Satanás e os demônios. Muitos teólogos colocam em dúvida a existência do diabo ou se manifestam positivamente contra ela. Outros procuram interpretar de maneira nova a tradição demonológica da Igreja Católica (…). Parte dos teólogos ainda mantêm a doutrina tradicional e muitos católicos ainda estão sob sua influência ou se confessam abertamente adeptos dela” (Wenisch, 1992:41). Segundo o mesmo autor, os teólogos evangélicos distanciaram-se da tradicional demonologia cristã bem mais cedo do que os teólogos católicos. Somente os fundamentalistas evangélicos concebem que os espíritos demoníacos se imiscuem diretamente na história do mundo e se apresentam como seres pessoais (Id. Idid., 42 e ss).
[8] Fundada em 1977 pelo funcionário público Edir Macedo, então com 33 anos de idade, a Igreja Universal se tornou a mais internacional das igrejas brasileiras e é detentora de um patrimônio avaliado em 400 milhões de dólares. De fato, segundo dados de 1995, a Universal estava presente em 32 países, sendo 7 na América Latina, 6 na América Central, 2 na América do Norte, 5 na Europa, 11 na África e 1 na Ásia. No Brasil possuía 2 mil templos, cerca de 3 milhões de fiéis e 7.000 pastores comandados por 37 bispos. A grande maioria dos pastores espalhados pelo mundo são brasileiros (Revista Veja, 19/04/1995).
A Igreja Universal é proprietária de uma rede de Televisão, a TV Record, de São Paulo, de várias emissoras de rádio, além de gráficas, estúdios de gravação, jornal, revista, uma construtora, uma fábrica de móveis, um banco e uma holding que administra todos os negócios da Igreja. Segundo Paul Freston, “na amplitude de suas atividades, a IURD começa a parecer com a Igreja Católica ou com uma igreja protestante nacional na Europa” (Freston, 1994).
[9] Segundo R. Mariano, outras igrejas evangélicas implicadas nessa “guerra santa” são: Igreja Internacional da Graça de Deus, Igreja do Espírito Santo (dissidência da lURD no Nordeste), Cristo Vive, Comunidade Evangélica, Casa da Bênção e Igreja
Deus é Amor (Mariano, 1995: 103-104).
[10] Professora do curso de teologia no centro universitário metodista Izabela Hendrix em Belo Horizonte/MG, nas áreas de Psicologia e Língua Portuguesa. Doutora em Ciências da Religião na PUC-SP.
[11] Para alguns segmentos evangélicos ” é o diabo que causa as doenças, conflitos, desempregos, alcoolismo, leva ao roubo ou a qualquer crime, como é Jesus e o Espírito Santo que cura, acalma, dá saúde, dá prosperidade material e liberta do vício e do pecado. Nesta visão se nega assim por um lado a ação de outros seres espirituais como se nega a responsabilidade humana e  conseqüentemente as origens históricas do mal e do bem” (Mariz, 1997: 231). Ainda, segundo Mariz, o pentecostalismo, fiel aos preceitos protestantes de não atribuir poder algum aos santos e a Virgem Maria, também não vai citar os anjos (Mariz, 1997).
[12] Professora do Curso de Direito da Universidade Federal de Sergipe - UFS e do Curso de Direito da Faculdade de Sergipe - FaSe, advogada cível e trabalhista do escritório Almeida, Araújo e Menezes Advogados Associados - ALMARME, Mestre em Direito do Trabalho pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais - PUC Minas, pós-graduada em Direito Público pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais - PUC Minas, pós-graduanda em Direito e Processo do Trabalho pela Universidade Cândido Mendes - UCAM/RJ.

MIDIAS SOCIAIS COMPARTILHA...

Gostou? Compartilhe !!!
Ocorreu um erro neste gadget

Postagens populares

visitantes diariamente na REDE MANDACARURN