PARTICIPE DE NOSSAS AÇÕES TRANFORME E SUA CONTRIBUIÇÃO EM UMA AÇÃO SOCIAL - DOE QUALQUER VALOR

CONTRIBUA: 9314 ITAU - 08341 2 NUMERO DA CONTA CORRENTE - deposite qualquer valor

FAÇA UM GESTO DE CARINHO E GENEROSIDADE DEPOSITE EM NOSSA CONTA CORRENTE ITAU AG; 9314 C/C 08341 2

CONTRIBUA QUALQUER VALOR PAG SEGURO UOL OU PELA AG: 9314 CONTA 08341 2 BANCO ITAU

sexta-feira, 6 de julho de 2012

INFORME SOBRE POLITICAS E MOVIMENTOS NEGROS NO RIO GRANDE DO NORTE - CEAFRO E FUNDAÇÃO KELOGS






INFORME SOBRE POLÍTICAS E MOVIMENTOS NEGROS
RIO GRANDE DO NORTE 




http://www.ceafro.ufba.br/web/arquivos/publicacoes/Informe_Rio_Grande_do_Norte.pdf


INTRODUÇÃO
Nos encontros realizados com representantes das entidades e organizações
negras de Natal, quando a pauta foi o contingente populacional e a cultura negra
do Rio Grande do Norte, algumas lideranças atribuíram ao folclorista Luís da
Câmara Cascudo (1898-1986) o fato de  o estado ser conhecido nacionalmente
como aquele onde a presença negra e indígena é quase insignificante.
Segundo a PNAD 2005, a população do Rio Grande do Norte é de 3.008.273
habitantes;  de acordo com a classificação do IBGE, 63%  da população  se
declaram pardos; 36,9% brancos; 2,4% pretos e 0,1% indígenas. Com base nos
escritos do  citado  folclorista, é recorrente afirmar que no  estado não existem
negros ou índios. Os dados, no entanto, negam a idéia da inexistência de negros,
e a própria denominação dos nascidos no estado é resultado da influência
indígena na região: “potiguar”.
Dessa forma, há um aspecto tão sério quanto a reivindicação de políticas públicas
de promoção da igualdade racial e combate ao racismo no Rio Grande do Norte:
existe um caminho a percorrer para que as populações negras e indígenas sejam
reconhecidas como parte integrante da formação sociocultural do estado.
A negação da própria existência  dos negros e negras, segundo entrevistados,
dificulta o seu processo identitário, embora seja marcante a presença das culturas
negras no estado. A capoeira, o boi calembá, o congo, assim como os quilombos
e as religiões de matrizes africanas expressam uma cultura negra viva e pulsante,
mesmo com a existência de uma ideologia que tenta negar a existência das
influências afro-ameríndias.
Com o intuito de nos aproximar dessa realidade e de conhecer as principais ações
desenvolvidas pelas organizações para promover a equidade racial e combater o
racismo, nos reunimos  em 11 e 12 de agosto de 2009, na sede da COEPPIR -
Coordenadoria de Políticas Promoção da Igualdade Racial,  órgão ligado à
Secretaria Estadual de Justiça e Cidadania do Governo do Estado do Rio Grande
do Norte,  localizada na Rua Coronel Estevam, 1172, Alecrim  – Natal-RN, com
lideranças e representações de organizações negras, levantando informações
para compor o Mapeamento. Em todos os momentos, apresentamos a proposta
do  trabalho que seria realizado, aplicamos questionários, dialogamos com
representantes de organizações e os/as entrevistamos.

MIDIAS SOCIAIS COMPARTILHA...

Gostou? Compartilhe !!!
Ocorreu um erro neste gadget

Postagens populares

visitantes diariamente na REDE MANDACARURN