PARTICIPE DE NOSSAS AÇÕES TRANFORME E SUA CONTRIBUIÇÃO EM UMA AÇÃO SOCIAL - DOE QUALQUER VALOR

CONTRIBUA: 9314 ITAU - 08341 2 NUMERO DA CONTA CORRENTE - deposite qualquer valor

FAÇA UM GESTO DE CARINHO E GENEROSIDADE DEPOSITE EM NOSSA CONTA CORRENTE ITAU AG; 9314 C/C 08341 2

CONTRIBUA QUALQUER VALOR PAG SEGURO UOL OU PELA AG: 9314 CONTA 08341 2 BANCO ITAU

sábado, 28 de setembro de 2013

Fim da 'década inclusiva'?

A desigualdade parou de diminuir no Brasil. É o que atesta a Pnad. A constatação é preocupante, mas previsível, porque a economia brasileira está praticamente estagnada.
índice Gini em 2012 ficou no mesmo nível do de 2011. Esse indicador mede o nível de concentração de renda.
O comentário é de Raquel Landim e publicado pelo jornal Folha de S. Paulo, 28-09-2013.
Isso aconteceu porque o rendimento médio dos 10% mais pobres do Brasil subiu 5,1%, enquanto o dos 1% mais ricos teve salto de 12,8%.
Esse resultado pode significar o fim da "década inclusiva", quando 23,4 milhões de pessoas saíram da pobreza graças a um crescimento de 91,2% dos salários dos 10% mais pobres entre 2001 e 2011.
Esse salto foi causado, principalmente, por fortes reajustes do salário mínimo, programas de transferência de renda, como o Bolsa Família, e explosão do crédito. No fim do governo Lula, essa receituário garantiu crescimento de 7,5% ao ano e eleição da sucessora. Desde então o cenário mudou.
Se confirmada a previsão de aumento de 2% a 2,5% do PIB neste ano, o Brasil amargará crescimento médio de 2% nos três anos de Dilma --patamar medíocre para uma economia como a brasileira.
A economia estagnou porque o boom de consumo chegou ao fim. Não existe mais no país um contingente tão grande de pessoas para serem inseridas no mercado de trabalho e no acesso ao crédito.
E vale ressaltar que parcela significativa da nova classe média está fortemente endividada, tentando pagar o carro financiado. A bolha de inadimplência do setor automotivo, inflada pelos incentivos fiscais do próprio governo, ainda pesa na economia.
A única saída para o Brasil voltar a crescer com vigor é investir mais e melhorar a produtividade. Isso já é consenso até entre governo e oposição.
A dificuldade é pôr isso em prática. A atual gestão finalmente reconheceu a dificuldade crônica do setor público de tirar projetos do papel e partiu para um programa de concessões. Os técnicos de Dilma, porém, adotaram uma postura de confronto com o setor privado nas regras dos contratos, o que reduziu o interesse.
Tudo indica que o programa de concessões será menor do que o previsto e que os leilões atrasarão ainda mais. Os efeitos das concessões para os investimentos brasileiros, portanto, só devem começar a serem sentidos no fim de 2014.
Assim, não há sinais de que vamos sair desse "rame rame" de baixo crescimento em breve. É verdade que o país vive uma inédita situação de pleno emprego, mas não deveria se acomodar. Avançamos muito, mas ainda somos um dos países mais desiguais do mundo

MIDIAS SOCIAIS COMPARTILHA...

Gostou? Compartilhe !!!
Ocorreu um erro neste gadget

Postagens populares

visitantes diariamente na REDE MANDACARURN