PARTICIPE DE NOSSAS AÇÕES TRANFORME E SUA CONTRIBUIÇÃO EM UMA AÇÃO SOCIAL - DOE QUALQUER VALOR

CONTRIBUA: 9314 ITAU - 08341 2 NUMERO DA CONTA CORRENTE - deposite qualquer valor

FAÇA UM GESTO DE CARINHO E GENEROSIDADE DEPOSITE EM NOSSA CONTA CORRENTE ITAU AG; 9314 C/C 08341 2

CONTRIBUA QUALQUER VALOR PAG SEGURO UOL OU PELA AG: 9314 CONTA 08341 2 BANCO ITAU

sábado, 20 de outubro de 2012

A quem interessa a religião na política?...

 A quem interessa a religião na política?


Edson França
O movimento negro no Brasil é um segmento do movimento social forte, unido e capilarizado em todo país. Ao contrário da máxima dita e desdita a todo tempo que o movimento negro é dividido, há unidade nas principais e fundamentais bandeiras de luta, como: leitura do significado e impacto do racismo na vida do negro e da negra; defesa dos quilombolas; defesa política das religiões e dos religiosos de matriz africana; defesa das ações afirmativas, em especial das cotas; compreensão que a opressão racial tem impacto diferenciado sobre jovens e mulheres, fato que aumenta a vulnerabilidade social desses segmentos; definição de significados comuns sobre a abolição do trabalho escravo; construção de um herói nacional que expressa a luta contra o escravismo e o símbolo do inconformismo, da reação e da libertação dos negros.
Esses elementos citados anunciam uma grande unidade política do movimento negro, muitas vezes subestimada por nossas lideranças, no entanto, estamos diante de uma obra política grandiosa, um poderoso patrimÃ?nio e fundamental instrumento para a luta racial. Não é simples um segmento do movimento social construir sólidas unidades nacionais em um país continental, cujas regiões geográficas são distantes e fragilmente conectadas, sob precárias condições materiais de suas instituições e líderes, e em um palco contaminado por uma ideologia negacionista (mito da democracia racial), elaborada pela elite racista, outrora escravocrata.    
Tenho evitado algumas polêmicas internas no movimento negro por considerar que há espaço para alteridade. O racismo no Brasil tem uma longeva história, é um emulador de culturas banalizadas no senso comum, tem profunda penetração no tecido social brasileiro e capacidade de definir o lugar social do indivíduo e as cores das classes sociais. Para combatê-lo com eficácia precisamos assimilar a riqueza da diversidade de pensamentos, ideologias, táticas, métodos de trabalho e organizações, valorizar os pontos de entendimentos consolidados e a partir deles avançarmos.
A compreensão acima descrita força-me a manifestar preocupação com um artigo de uma importante, séria e comprometida liderança do movimento negro, publicado no siteÁfricas. Segue trecho do texto:
O que nos intriga é, sabedora que a cultura negra é de matriz africana, o que levou a atual gestão da Palmares a escolher um Cristão APN para representá-la no Estado de São Paulo?”.
A FCP é o mais antigo órgão federal de promoção da cultura negra no país, criada ainda no governo Sarney. É muito desrespeito para com os povos de matriz africana, detentor e disseminador da cultura negra nesse país, ter como representante da FCP Palmares em SP, um APN. Não somos ovelhas, não somos parte do rebanho cristão; somos a resistência da cultura africana nesse país. Entendemos que, se a FCP designa um APN para cuidar da cultura negra em São Paulo, não possuem nem respeitam os detentores de cultura africana.”.
O pensamento publicamente expresso nesse trecho fere uma compreensão histórica do movimento negro brasileiro: a defesa de um Estado laico. Não interessa ao movimento negro a influência da religião na política, que os governos separem espaços na máquina pública buscando harmonizar a vocação dessa ou daquela religião. As experiências de confusão entre Estado e religião são obscurantistas, têm sido desfavoráveis para as populações minorizadas politicamente, porque organiza o Estado contra as minorias religiosas, subverte o espírito democrático tão caro aos movimentos sociais e ao povo.
Para defender os povos que expressam religiosidade de matriz africana, a luta do negro contra a opressão racial devemos exigir que a convicção religiosa não seja base para definição de critérios para admissibilidade em serviço público ou privado, trata-se de uma odiosa discriminação que tem marginalizado especialmente os religiosos de matriz africana. Assim como as instituições do movimento negro não pode ser discriminadas em razão da religião de seus membros.
Dito isso, manifesto meu respeito aos militantes apnÂ?s de todo Brasil e somo fileira a defesa política das religiões e dos religiosos de matriz africana, onde mora minha mais profunda identidade.





Edson França
Presidente da UNEGRO

MIDIAS SOCIAIS COMPARTILHA...

Gostou? Compartilhe !!!
Ocorreu um erro neste gadget

Postagens populares

visitantes diariamente na REDE MANDACARURN